H@ vida depois dos 60

…com pensamento, opinião e poesia em doses homeopáticas…

conselhos de graça ou a graça dos conselhos

Não seja a tua juventude um ópio que te sorva, para que a maturidade não te seja amarga. Apesar da vida parecer um buraco negro sugando o brilho e as estrelas, ninguém está fadado a ser anulado, exceto se fizer essa escolha e anular-se voluntariamente a si mesmo. O universo é infinito e cada pessoa é um traço aparentemente nulo na estatística da humanidade. Quanta gente já viveu até o presente, quantos bilhões de seres humanos já habitaram este planeta. Em minha carne há fragmentos da carne de muitos que já me precederam na existência. Somos todos frutos do carbono que se recicla indefinidamente. Isso não faz de mim menos do que já sou. Sou nada. Mas é tudo o que sou. Avaliar-se estatisticamente seria algo frustrante e deprimente. Mas quando se pensa na pessoa, no universo que cada um representa, então alçamos o infinito. Porque se o universo é infinitamente grande – a pessoa é maior que o universo, porque todo o universo cabe na emoção, no pensamento, na alma de cada pessoa. Então o nada absorve o tudo e com ele se confunde. Há traços brilhantes do universo em cada ser, o infinito habita cada pessoa. A relatividade do ser se decompõe diante do absoluto do existir. E ao fim, depois de tanto pensar e refletir, há que se concordar. É tudo tão grandioso que somente um Deus pode explicar as razões do existir. E se um Deus explica, porque desesperar, porque se embriagar de um absinto depressivo, porque amargar uma vida derrotada se ninguém existe antes de experimentar a vitória da conquista do espaço de viver. Milhares tentaram e só um conseguiu imergir e fundir-se à semente que o gerou. Explodiu assim em vida que ainda não murchou. E quando murcha é lançada à terra para que germine em eternidade. Levante, pois, a tua fronte. Ouse passos nunca dados, perceba o sol em seu lume e calor. O deserto contém alguns oásis, a dor encontra o seu linimento e a vida existe para desabrochar e florir até mesmo nas terras mais áridas. A pessoa é um dom. Um dom para si mesma e um dom para todas as demais vidas ao redor. Viva a vida, faça o melhor e deixe viver!…

(PS. este post é um desdobramento de um comentário que deixei num flog que visitei hoje – inteligente mas down demais para a idade do autor.)

pensado por Tarciso Comente   

Comente

Favor preencher seus dados e comentar abaixo.
Nome
Email
endereço de seu blog
seu comentário