H@ vida depois dos 60

…com pensamento, opinião e poesia em doses homeopáticas…

sábado

Para mim hoje é dia de estudos. O clima é frio e chuviscoso. Não é um tempo de exterioridades – melhor este mergulho no cálido interior fervilhante de inquietações com provas, trabalhos, final de semestre letivo. Vivo. Lerdo, denso – mas vivo!

pensado por Tarciso comente    

voltei

Depois de um tempo prolongado, devido ao fato de ter desistido do sistema do www.blogger.com e optado pelo wordpress em domínio próprio e ainda, pelas dificuldades acadêmicas próprias de todo final de semestre, estou voltando a partir de agora com postagens mais regulares – ao menos espero!

pensado por Tarciso comente    

dos cânticos



voz de veludo
em sopro suave
causando cócegas
arrepio e vertigem
mergulhar no pântano
e morrer aos poucos
por faltar o fôlego
nos segundos eternos
quando viajamos
em busca da fusão
que acontece em lavas
sonhos e desejos
nos grotões da alma
naquelas noites calmas
feitas de nós dois…

pensado por Tarciso comente    

desassossego



apesar da preguiça
não dá pra hibernar no calor
só rastejar descoberto
sobre o colchão pegajoso
entre suor, lágrimas
e uma nudez salgada
porque tem sido inclemente
o mais recente verão
nem mesmo as cigarras
ficam à vontade nos galhos
desafinando a sinfonia
os trovões já não assustam
e a chuva torrencial
enlameia toda a alma
dias de intolerância
não há calma
não há nada
nem há …

pensado por Tarciso (2) Comentários    

extenso haikai



não fui à maioria dos lugares
nem vou
só fico aqui onde estou
nenhuma pressa
de chegar!!!

pensado por Tarciso (2) Comentários    

montantes



água
não pode faltar
ou morreremos
nem sobrar
ou soçobramos
porque n’algumas enxurradas
não é possível flutuar

pensado por Tarciso (1) Comentário    

nonsense



chuvas torrenciais

temperaturas tórridas

só o coração em sobressalto

ainda é capaz de congelar

frente ao nonsense dos fatos…

pensado por Tarciso comente    

seguindo avante



antes da nova estação
depois do fim do verão
é sempre tempo de amar
porque o tempo cobra
os afetos ausentes
os medos inclementes
e a dor inútil
mas nos devolve com juros
todo gesto amigo
e todo expor ao perigo
depende qual a escolha
e eu hei de prosseguir
sem tirania das bússolas
sem mapas escondidos
sem máculas na mente
deixando que o vento leve
e que venha a chuva e lave
toda a nudez da alma
e me deixe navegar…

pensado por Tarciso (1) Comentário    

ao nível do mar

aspiro a redenção
e se puder a quarta dimensão
meu ego desinflado
flanando como um raio domesticado
iluminando as manhãs
de todas as feiras
e dos finais de semana
enquanto é férias
perduro singular
multiplicando as vidas
como nos games infantis
explorando as encostas
a te levar nas costas
aonde quer que vás
sempre ascendendo
embora o corpo envelheça
e a tez padeça
e enquanto o tempo corre
no verso rejuveneço
e não padeço ao flutuar
nível do céu, depois da terra
por fim do mar…

pensado por Tarciso (1) Comentário    

eterna criança

os estilhaços que se alojam na alma
numa noite quente ou numa tarde calma
podem se mexer
e quando isso acontece
a dor irrompe feito um maremoto
produzindo gemidos inconfundíveis
e doses maciças de analgésicos
o sono então é doentio
e mil delírios tomam conta
onde está a mãe que se foi
onde está seu unguento perfeito
o seu acalanto
o calor do seu peito?!
o ser humano
é uma eterna criança…

pensado por Tarciso (1) Comentário