H@ vida depois dos 60

…com pensamento, opinião e poesia em doses homeopáticas…

por um mundo melhor

A cada minuto nascem no mundo em torno de 260 pessoas e morrem 110. No próximo minuto, pois, a população mundial que já se aproxima de 7 bilhões de pessoas verá um incremento de 150 pessoas. Em uma hora teremos mais 9.000 habitantes na terra e, ao final de um dia inteiro, mais 216.000 pessoas povoarão o planeta. O problema demográfico que já se experimenta hoje tende a agravar-se no futuro, especialmente em virtude de que os recursos naturais são limitados mas a irresponsabilidade humana não tem limites. As autoridades governamentais conhecem, por exemplo, os riscos do efeito estufa em relação ao aquecimento global e os efeitos perversos que dele advém. Entretanto, não parecem preocupar-se e viabilizar soluções que tragam o reequilíbrio ecológico para o planeta, seus habitantes e para a natureza criada.
Todas as pessoas, individualmente, no entanto, podem efetivamente mudar para melhor ou para pior o próprio mundo e, por conseqüência, o mundo inteiro. Não quero perder a minha oportunidade de melhorar o mundo. E você?!

Fonte da informação sobre a evolução demográfica mundial:
pensado por Tarciso (2) Comentários    

avestruz

a mente prenhe
de versos mirabolantes
volteios de elefantes
nesses picadeiros tropicais
que interpelam o meu silêncio
e minha dormência pusilânime
às mazelas
dos cortiços e favelas
contrapontos doloridos
duma arquitetura desigual
entre esquálidos seres comprimidos
e folgados bandidos em black tie

pensado por Tarciso (1) Comentário    

fragilidade humana

No limite só posso dizer que não sei de onde vim e tampouco sei aonde vou. Quando lançava o meu olhar sobre os rochedos incrustrados nas montanhas da minha infância, um tremor percorria todo o meu ser tomado de espanto e admiração. Desde aqueles primevos dias de imberbe ingenuidade já me sentia perturbado e aturdido pela desproporção de mim e o magma em rocha exposto sobre os montes. Então fechava os olhos – e na densa escuridão que se formava, via as estrelas do mundo abissal em seu avesso e eu, aquele ser tão frágil no começo – agora ainda mais frágil que conheço um ínfimo de mim, do mundo, do bem e do mal…

pensado por Tarciso comente    

vergonha e desgoverno

        Vivemos um tempo que torna difícil resistir à avalanche dos juízos superficiais. Condena-se o inocente e inocentam-se os culpados. A hipocrisia prevalece na denúncia “corajosa” ao ladrão de galinhas e no silêncio conivente frente ao roubo escancarado dos colarinhos brancos executivos e legislativos, frutos da má escolha que fazemos nas urnas. Nesse dilúvio de corrupção muitos canoeiros apenas lamentam não estar a bordo da nave transatlântica de malversação do erário.
        Os sistemas econômicos privilegiam as coisas em detrimento das pessoas e algumas poucas pessoas e nações dominam a maioria e exploram o planeta de forma predatória. Queimam as matas, poluem rios e oceanos e se devasta impunemente a natureza no que ainda sobrou de suas reservas em fauna e flora. Assiste-se, como espasmos dessa perversão geral, cataclismos naturais, mudanças climáticas e abalos sociais com os fenômenos da violência na cidade e no campo se espraiando assustadoramente. Quem ainda não sofreu diretamente ou ao menos não viu resquícios de sua ação deletéria ao derredor? Que família não tem um ente viciado em cocaína, crack, álcool ou maconha – ou uma pessoa querida escravizada por compulsões de sexo, jogo, comida?! Desestruturadas as famílias, os casamentos se dissolvem, as relações estáveis se desestabilizam, os relacionamentos se tornam descartáveis.
        No nível global, muitas nações guerreiam entre si e privilegiam em seus orçamentos o componente bélico em detrimento do saneamento básico, alimentação, saúde e educação das pessoas.
        Virá o apocalipse?!
        O que deixaremos de herança para as gerações futuras? A natureza devastada, a sociedade esgarçada, uma pátria de desmandos onde os mais aquinhoados devorarão os mais fracos ostentando um sorriso cínico?
        Quisera uma gota de otimismo a temperar esse momento deprimente mas o meu coração se aperta pensando no mundo que estamos deixando para os nossos descendentes.
        Mas – ressuscita o mago do otimismo que trago dentro de mim – quem sabe aconteça um milagre?! Quem sabe alguns políticos honestos despertem de seu sono hibernatório e furem o fundo do navio ao qual não conseguem mais dar rumo, fazendo-o perder o prumo e afundar. Quem sabe, então, começando aqui entre nós, feito uma Fênix ressurgida – desta vez das águas – se veja novamente o norte e o povo forte deste Brasil possa regenerar a nação envergonhada e desgovernada…

pensado por Tarciso (1) Comentário    

pele

a nossa pele
manto que esconde
ou que nos desvela
traz o paraíso
se não faltar juízo
em falsos mergulhos
nas águas do inferno…

pensado por Tarciso comente    

dura lex

ai de mim
se a mente não for forte
pois a carne é fraca
e sucumbe à morte
só a pedra dura
e não é mole não
dura lex
sed lex

pensado por Tarciso comente    

30 ANOS

           Me preparando pra esse dia ensolarado eu, de repente, olhei no espelho e vi uma criança já crescida. E li por trás do seu sorriso o risco iminente de cair um turbilhão de lágrimas contidas. Imagens se sucederam freneticamente nas lembranças desse tempo já vivido, e um balanço foi se desenhando com os números pulsantes de uma vida. Vislumbrei o rosto jovem dos meus pais de quando eu ainda engatinhava e recordei a pura alegria dos meus irmãos da infância feliz que eu ainda não sabia. Revi o encanto das brincadeiras da minha meninice e as monumentais algazarras entre os amigos da rua e dos tempos de escola. Recordei depois o meu olhar furtivo em busca das primeiras aventuras, os olhares trocados, os toques de mão, o primeiro beijo escondido e roubado e os arroubos daquelas sensações desconhecidas – quase um meu nirvana juvenil. Tanta efervescência, muitas lembranças e tantos grilos povoando a adolescência. Alguns e algumas trago camufladas até aqui… Mas o que seria da vida sem os encontros – sem os desencontros?! Confesso que cresci. E fiz os pactos dos amores que foram infinitos pelo tempo que duraram. Vi que era bonito amar assim e elaborei milhões de planos. E fiz mil coisas nestes dias de ventura. Eu quase me perdi. A vida foi abrindo as suas caixinhas de surpresas – boas, más, – algumas foram de extasiar e outras quase me mataram. Ganhei, perdi. Fui sorteado com uma fonte de sorrisos e acho que por isso não aprendi chorar. E distribuo risos com fartura fazendo o que é possível pra não ter choro à minha volta. Algumas vezes fracassei nessa empreitada e não consegui deter as lágrimas – eu mesmo fui varrido por elas, especialmente quando uma noite traiçoeira açoitou minha família e nos roubou o que havia de maior brilho. Uma jóia rara: irmão, amigo, filho… Mas fiquei sabendo por intermédio das estrelas que entre elas ele foi se instalar – Deus viu que para uma gema tão preciosa – estar ao lado Seu, no céu – era o melhor lugar. Agora é um anjo protetor – com nome de irmão – e ilumina a nossa casa com o seu olhar, o seu cuidado e o seu jeito amoroso de nos acompanhar. E ele nos diz que a vida deve continuar, que o tempo não para e nem pode parar…
&nbsp&nbsp&nbsp&nbsp&nbsp&nbsp&nbsp&nbsp&nbsp&nbsp No lugar dos amores transitórios da juventude a vida me presenteou com o amor que veio pra ficar. E foi tanta doçura no saciar a fome dos meus beijos e abraços… Fincado em terra firme enfrentei e enfrentamos as ventanias, as chuvas torrenciais da vida, os medos, as tristezas, os conflitos naturais. Os que não venci sozinho, vencemos juntos – os que perdi, juntos não perdemos. E o amor não demora, no tempo certo traz os frutos da espera. E uma barriga se enfeitou de vida para embalar o fruto desse nosso amor. Quando me dei conta da paternidade que assumia – ah nesse dia eu chorei – chorei de alegria, chorei de espanto, chorei de encanto, chorei de amor… E tudo isso no meio do meu maior sorriso e se daqui pra frente em algum momento eu não sorrir, não é preciso – pois trago no meu ninho, nos meus braços de pai – um sorriso que veio do céu para inundar de alegria a nossa vida, um presente de Deus que nos faz a vida celebrar.
&nbsp&nbsp&nbsp&nbsp&nbsp&nbsp&nbsp&nbsp&nbsp&nbsp E agora, o que será do amanhã?! Não sei… Mas sei que Deus está comigo e tem me carregado nos momentos de agonia e dor. E o sorriso da proteção divina jamais deixará de nos acompanhar – por isso quero celebrar com meus amigos, minha família, minha mulher – metade preciosa de mim, e a minha filha. Quero sorrir com todos e, se eu chorar, que seja de alegria, que seja de amor que tanto eu tenho recebido e tanto eu tenho para dar.

(Ps.: homenagem ao primo Adriano no seu 30º aniversário.)

pensado por Tarciso comente    

garoa

chove com insistência
num derrame de gotas modorrentas
e as folhas molhadas
espargem brilhos ao redor
todos os sentidos preguiçosos
trabalham à meia luz
cheiros, sons e paladares
brotam da terra em cio
fazendo um torpor vazio
aquietar meus sinais…

pensado por Tarciso comente    

parada

quem dera parasse o tempo
ao menos uma era inteira
e a gente então parisse
as correções das besteiras
e depois tudo prosseguisse
como se nada havido…

pensado por Tarciso comente    

riso cristalino

se não houvesse um fosso
e a força insone do fracasso
em que trôpego tropeço no teu laço
e me desfaço em lamúrias cordiais
a despertar o teu sorriso iluminado
ao que me esqueço do começo
e baila a mente à doce melodia
do teu riso matinal…

pensado por Tarciso comente