H@ vida depois dos 60

…com pensamento, opinião e poesia em doses homeopáticas…

depois da curva

depois da curva inclinada
que até pode ser a última
se não se conhece o caminho
ou talvez a retomada
no vôo de fazer ninhos
há que voltar pra casa
sempre ao fim dos dias
nenhum lugar é melhor
nenhuma cama tão boa
mergulhar sob as cobertas
nas noites frias de outono
onde os corpos trocam donos
e sonham somente sonham
sonhares alvissareiros…

pensado por Tarciso comente    

tique-taques


      Alguma coisa no tempo me absorve em extenuante trabalho inútil da mente. O tempo passa. Na parede, quase desapercebido – meu relógio muito antigo marca sem saber essa passagem. É máquina, mas é personagem de uma história. Me lembro dos meus primeiros contatos com ele. Seus tique-taques monocórdios só pareciam interrompidos pelo badalar das horas cheias e de suas metades. Criança ingênua – a ingenuidade era minha companheira inseparável – eu via a alma do relógio e desde então eu já sabia que teríamos um caso de posse mútua. Tenho eu esse relógio ou será que ele me tem?! Não sei. Na verdade ele sempre marcou as minhas horas. Mesmo quando eu já não estava por perto e fui embora pra cidade. Primeiro a pequena e depois a grande. Meu relógio – que ainda não era – a esperar num compasso repetitivo e paciente. Tique-taque, tique-taque, tique-taque… Blemblom, blemblom, blemblom… Eram três horas da tarde. O sol a pino e um calor que Deus mandava. Os animais no pasto adivinhavam chuva relinchando, correndo, balindo, pastando. Eu chorava num canto sob o meu relógio… Imaginava febril as horas longínquas que nunca chegavam e que ainda não me deixavam partir. Parece que aquelas lágrimas tiveram o condão de acelerar o tempo que não passava e a partir de então, cada dia mais depressa ele foi passando e desgastando os infindáveis tique-taques do velho relógio pendurado. Anos depois, idas e vindas, depois de tantas mudanças o cansaço das viagens. Tanto quanto a mim ele me pareceu tão cansado da última vez que pude ouvi-lo noite adentro em seu balanço nostálgico e hipnótico… Se movia tão exausto e lento que ao clarear do dia seus ponteiros carcomidos amanheceram parados. Quando o moderno celular me despertou olhei-o lânguida e longamente, mirando as figuras gastas de seu vidro amarelado pelo tempo. Um tristonho desalento me envolveu e não tive coragem de girar sua anacrônica manivela que o obrigaria retomar seus movimentos a demarcar meu tempo. Quedei-me absorto e deixei que permanecessem imóveis seus ponteiros e badalo, e que se calassem os seus tique-taques…

pensado por Tarciso (1) Comentário    

sorrisos

um sorriso não pensado
faz o peso aliviado
dá à vida mais prazer
pensamento anuviado
traz tormentas torrenciais
e quem quer pensar demais
perde o riso encantador…

pensado por Tarciso comente    

segredos

       Expandindo o pensamento anterior, quero explicitar melhor outras nuances daquilo que entendo por verdade. Ela é certamente a mais cobiçada virtude que almejo e cultivo. Entretanto engloba também meus segredos, sem os quais a privacidade – outra exigência vital – seria impensável e impossível. Não deixo de ser verdadeiro quando omito uma ou mais facetas da minha personalidade – especialmente quando não gosto delas ou quando a hipocrisia social as tem por condenáveis. Tenho impulsos, tendências, prepotências e mazelas em relação às quais não teria sentido sair por aí fazendo propaganda. Além daquelas coisas que definitivamente não convêm expor e revelar, existem defeitos para os outros que para mim são virtudes, mas que as regras da boa convivência recomendam que não se as propague, porque, admito – e é verdade, – aspiro também a aprovação social. Um exemplo é quando se tem consciência de possuir determinada qualidade sobre a qual em momento algum se deve pronunciar a respeito porque há uma convenção de que elogio em causa própria é vitupério. Não ficou claro?! Então deixa pra lá… mas é mais ou menos isso. Ser verdadeiro, pois, para mim, não significa viver virado ao avesso arrotando verdades inconvenientes. Ser verdadeiro é uma coisa interna que interessa ao indivíduo como pessoa e que, evidentemente, se torna manifesto em suas atitudes exteriores. Por isso, embora tendo um perfil mais transparente que misterioso, sei respeitar e conviver muito bem com os segredos – os meus e os alheios.

pensado por Tarciso comente    

esforço verdadeiro

      Todo bom é íntegro e nem importa que se apresente em estilhaços, pedaços ou metades. A verdade é uma convicção certeira mesmo que ao fim se revele um engano e perca o conceito de verdade que lhe fora atribuído, mas a mentira não leva nenhum jeito para se tornar verdade. Há quem confunda engodo com verdade. Sabe, aquela mentira repetida à exaustão? Goebels, que foi ministro da propaganda de Hitler engendrou e utilizou uma tal estratégia. De concreto mesmo é que o falso até pode parecer verdadeiro, mas verdade jamais será. Então, se não é possível ser dono da verdade, ao menos é possível o esforço para ser verdadeiro. E esse esforço eu sempre faço porque a mim, creiam-me ou não, só apetece a verdade!

pensado por Tarciso comente    

horizonte

Quando jovem perseguia crédulo o infinito e jurava em breve alcançá-lo. Maduro vivo ainda em seu encalço apesar de sabê-lo inalcançável e fugidio. O que não quero é ficar olhando para trás – também não quero mirar fixa e obsessivamente meu próprio umbigo. Melhor é caminhar sem pressas, toureando as intempéries, superando as inclemências e rudezas própria e alheias. Aspiro belezas pequenas como os perfumes passageiros e todas as coisas que aguçam o melhor dos meus sentidos. Minha contemplação sempre avança circular e concêntrica procurando envolver meus amigos, os entes queridos e todas as pessoas iluminadas que se achegam para construir pontes de afeto e amizade. Com elas ao meu lado quero caminhar sereno e com liberdade rumo ao horizonte que luz…

pensado por Tarciso comente    

carrosséis

amalgamar as cinzas
neste espremedor de idéias
verdadeiro caudal de pensamentos
a conspirar no vazio
sem nenhuma inspiração
retorno ao lugar confuso
– nó de sortilégios –
e de nada adianta
é hora do crepúsculo
adormecem os músculos
despertam os delírios
na saliva dos desejos
merejam instantes de poesia
mas é rebate falso
balde d’água fria
não passam de fantasmas
no meu lusco-fusco vespertino…

pensado por Tarciso comente    

sem leme

perscrutar as razões
vã filosofia…
mas o sentido mesmo
só na poesia
a dos sentidos
desde o olhar noturno
em toques lânguidos e à revelia
cálido cheiro de romã
a dissipar sabores
ressoando nostalgia
um sexto sentido
esculpe na alma
grávida melancolia
que faz parir a escuridão
na madrugada e à luz do dia

pensado por Tarciso comente    

Feliz Páscoa e bom feriado

Respeito todas as opções religiosas e as opções não religiosas também, claro. Entendo que o mais importante é que não hajam intolerâncias ou fanatismos de quaisquer matizes. Respeitar a identidade alheia não significa anular a própria. Eu tenho uma religião – sou católico apostólico romano – participo das missas dominicais e nestes dias, em particular, participo das celebrações pascais que são as mais importantes liturgias católicas que se celebra. Todos os dias faço as minhas orações e busco uma sintonia com o sagrado que, para mim, traz o sentido último do existir. Gosto muito de uma cervejinha nos finais de semana para acompanhar um churrasco ou aquele almoço gostoso de domingo. Mas na quaresma, período que vai da quarta-feira de cinzas até o domingo dé páscoa, eu fico sem me deleitar com esse meu pequeno prazer. Parece pouco. E é. Pelo menos dois efeitos salutares isso me traz: ajuda a moderar o hábito da bebida e a superar o impulso imediatista do prazer. Quando chega a Páscoa celebro a vida e brindo com meus entes queridos com direito a um prato saboroso, uma cervejinha gelada e um pouco de chocolate que ninguém é de ferro. Então a todos os cristãos que me lêem desejo uma Feliz Páscoa, aos demais desejo um bom feriado!

pensado por Tarciso comente    

verbo surdo

no verso da palavra há um estopim incendiário
que pede água imaginária e afoga seu rastilho
então se recomeça um outro ciclo perdulário
revisitando palavras estopins e águas em delírio
será que não transcende esse imanente sanguinário
esse desejo incinerante submerso e carmesim?!
me engarrafo tamponado no silêncio
meus olhos ficam tão grudentos …
de onde estou vindo, pra onde estou indo?!
antepassados produziram morticínio
que vaticinam rancoroso odor de morte
o medo camuflado nas manchetes dos pasquins…
enfrentamento e fuga
eros e tanatos
fato inconteste nesta raiva machucada
imotivada e agreste
deambulando em pleno cativeiro
rubra escarlate em seu cheiro
nessa instância amordaçada até o fim…

pensado por Tarciso comente